24 agosto 2013

Resenha: O vendedor de sonhos e a revolução dos anônimos






Autor: Augusto Cury

Editora: Academia da Inteligência
Sinopse: No novo livro da saga O Vendedor de Sonhos, o Mestre continua virando a sociedade de cabeça para baixo. Depois de sofrer perdas irreparáveis e ver seu mundo desmoronar, esse misterioso homem procura reconstruir sua vida vendendo sonhos. Seus discursos são cortantes como lâminas; suas ideias, arrebatadoras. Seus discípulos são baderneiros e revolucionários que transformam drama em comédia e colocam grandes ideias num circo social. O Vendedor de Sonhos e A Revolução dos Anônimos mostra como a trajetória de cada ser humano é admiravelmente complexa, escrita com lágrimas e júbilo, tranquilidade e ansiedade, sanidade e loucura. 










  O Vendedor de Sonhos





  Antes de começar esta resenha, devo dizer, não li o primeiro livro, e acho que isso não interferiu na história, segundo o que vem escrito atrás, é uma sequência, mas cada livro pode ser lido separadamente. Outra coisa que gostaria destacar é que este é o primeiro livro do Augusto Cury que leio e eu adorei! Então vamos lá?


  Reflexivo, crítico, genial. Estas são as palavras que me vêm à mente para descrever este livro, no momento. Augusto Cury consegue criticar nossa sociedade de uma forma impressionante, e ao mesmo tempo, consegue ajudar o leitor em suas buscas pessoais por conforto e melhora. Ao longo da leitura o que mais fica marcado é: não julgue as pessoas pela aparência, elas enganam e muito. O "mestre" é um maltrapilho que anda pelas ruas vendendo sonhos, fazendo as pessoas refletirem e despertarem para a realidade. Simplesmente, ele é genial, e as pessoas o veem como louco, por causa de suas roupas e suas "chamadas". Mas claro, ele tem fãs e seguidores. Alguns seguidores tentam achá-lo durante o dia, e outros aceitam serem "nômades" com ele, vivendo nas ruas, para lá e para cá. Alguns desses seguidores são personagens incrivelmente bem construídos, como Barnabé e Bartolomeu (Boca de mel e Prefeito). Eles são a graça da história, de tantas confusões onde se metem, mas ao mesmo tempo, conseguem ser geniais em sua loucura.



  Quem narra a história é um ex renomado professor de sociologia, Júlio César, que há tempos atrás criticaria o mestre e viveria em sua bolha de orgulho. Sabe aquelas pessoas que se acham melhores pelo conhecimento que têm? Que são fiéis à sua ciência? Então... Só que coisas acontecem e ele é levado a seguir o mestre pelas ruas, em sua "cura". Nessas buscas, o grupo passa por vários locais onde há pessoas de alta posição social, e claro, estas pessoas estranham sua presença, se assustam. Mas ficam mais assustadas ainda quando eles começam a falar. A eloquência do mestre, sua persuasão e sua verdade causam choque em quem ouve. E as loucuras de seus súditos Bartolomeu e Barnabé naturalmente chocam qualquer um, inclusive o leitor.

    Um grande destaque dado é que as sociedades são constituídas por heróis anônimos, que não estão sob os holofotes da mídia. E sim, esses heróis somos nós. Eles têm problemas, mas os enfrentam. Desta forma, a nossa luta diária para superar nossos problemas nos torna heróis. Como os deprimidos, que, apesar de abatidos pela cálida dor, enfrentam com dignidade seu inverno emocional; os ansiosos, que, solapados pela inquietação, sonham com dias tranquilos; os portadores de câncer, que, como guerreiros, lutam pela vida e fazem de cada dia um momento eterno; os pais, que esgotam seu corpo e sua mente para sustentar e educar os filhos; os professores, que, com salários magros e sem aplausos sociais, movem o mundo ao ensinar a seus alunos o pensamento crítico; os alunos, que, como frágeis Quixotes, creem que poderão mudar a história sem ter noção de que vivem num sistema social engessado e pouco generoso às novas ideias; os trabalhadores de escritórios e empresas, que não são notados a não ser quando causam escândalos, mas que têm histórias borbulhantes. Todos eles são de alguma forma vendedores de sonhos, embora também vendam pesadelos.

  O livro fala do sistema doente, que emprega pessoas doentes, para ensinarem outras pessoas a serem doentes, assim, aumentando o período da existência dessa "doença" no Planeta Terra. Doenças da nossa alma. Algo que nos deixa doentes é o trabalho renomado que ocupa seu tempo e não traz felicidade. A falta de preocupação com o próximo, já é uma doença em si. O quão contraditório seja que donos de empresas de saúde  não se preocupem com a saúde de quem não pode pagar, e rejeitem essas pessoas como se não fossem nem humanos. O quanto o egoísmo capitalista abraça o mundo, fazendo com que as pessoas sempre queiram se favorecer em primeiro lugar, sem pensar no próximo, sem ter piedade. "O importante é lucrar, ter sucesso, então por que se importar com as pessoas que passam necessidade, se nem as conhecemos?" Infelizmente este é o pensamento de muita gente. 

    Um meio eficiente de lutar contras nossas doenças psíquicas é desvendar nossos anseios, investigar nosso passado e compreender nossa alma. Muitos traumas passados são responsáveis pelo que somos. Assim como acontece com os personagens, compreendemos que o nosso passado é importante para sabermos quem somos hoje. Refleti que parte dessas doenças adquiridas são culpa da cultura na qual nascemos, que tem seus valores invertidos. Que prega o orgulho e o egoísmo como certos, fazendo-nos crescer, já tendo em mente que se alguém me ofende, devo revidar, se não sou "boba"; que se fulano te pede algo, você não deve dar, se não estão se "aproveitando de você"; que se um cara não sai pegando todas, ele "não é bom"; que se você não explora o próximo pensando sempre em você, você é "fracassado", "usado". Estas, e muitas outras, podem ser as doenças de nossa sociedade. É algo muito triste, mas mais triste ainda é ver que as pessoas não param para se questionar sobre o que é certo e errado, daquilo que foi ensinado a elas. Que seguem esta cultura egoísta, cada vez mais se contagiando nestas doenças da alma.

  Claro que um livro assim não poderia receber menos de cinco estrelas. É ótimo, todas as reflexões que traz são incríveis. Vale muito a pena. Apesar disso, em alguns momentos, senti a leitura cansativa, não sei dizer bem, mas tive a impressão que poderia ser mais agitado em algumas partes, acontecerem mais "novidades". Digo algumas, pois as coisas se agitam bem em dados momentos, principalmente no final. Rolei de rir com ele. Sensacional. Então, se você procura por uma leitura que te dê conteúdo para pensar ao mesmo tempo em que te diverte, recomendo que leia O vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos.


  



Citações:




“A vida é como uma peça teatral, é o show dos shows. Quando encerramos no teatro do tempo o último ato da existência no pequeno palco de um túmulo, o show não se interrompe, o espetáculo continua na plateia em lagrimas.”

"(...) Os fracos usam a força, os fortes, as ideias"

"Sem sonhos, seremos servos do egocentrismo, vassalos do individualismo, escravos de nossos instintos. O maior sonho a ser vendido nessa sociedade consumista é o sonho de uma mente livre!" 

"Quem não edifica pontes psíquicas constrói ilhas no córtex cerebral. Num momento pode ser um cordeiro, noutro um predador (...) tranquilo, noutro explosivo (...) Calígula era franzino, mas achava-se mais belo que Roma, tinha rompantes de gentileza e ataques de fúria. Nero era dado às artes, mas se tornou um dos homens mais atrozes da história (...) Hitler afagava e dava ração à sua cadela, mas esmagou de fome e frio um milhão de crianças e adolescentes".

"Somos todos crianças brincando no teatro do tempo".



"Ninguém será líder do teatro psíquico se não aprender a observar o que está por trás das vestes".



"O teste dos testes é domesticar nossos fantasmas".


"A existência é cíclica" 


"Não há aplausos que dure para sempre nem vaias que sejam eternas"


"A violência explica a violência, mas nenhuma violência justifica a própria violência"



Resenha feita por mim como postadora no blog Flor de Lis.

Beijos açucarados.




3 comentários:

  1. Amei o blog parabéns muito lindo><
    Já estamos seguindo, retribui? ficaremos muito feliz com a sua visita :)
    http://dicasentreamigas1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi adorei.. muito obrigado, amei a maneira que vc usou para descrever essa resenha...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda
    www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir
  3. Muito bom mesmo esse blog e a maneira como a narrativa foi feita,o ambiente e os personagens estão muito bem localizados. O que posso dizer desse livro é que além de romancear as teorias do doutor Cury sobre as janelas da memórias e as janelas "Killer", esse livro é hilariante, a cena em que os anônimos disputam o frango e a postura do personagem "boquinha de mel", leva ao riso o mais carrancudo ser humano, é pura terapia essa leitura,o mestre,que é o protótipo do Jesus moderno,se mostra sempre sereno frente as adversidades do caminho,profundo e inspirador.Na minha opinião é o melhor da saga.

    ResponderExcluir

Comentem à vontade, reflitam bastante, se divirtam e suspirem. Por favor, respeitem as seguintes regras:

-Os comentários devem se referir ao post em questão.

-Comentários que só contém divulgação de blogs estão proibidos. Se quiserem, comentem e deixem o link do blog no final. Sempre respeitando, o espaço alheio.

Muito obrigada e voltem sempre.

.
© Reflexão Literária - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Vivian Pitança.
Tecnologia do Blogger.